terça-feira, junho 12, 2007

K. Stockhausen

Também vou apresentar, hoje, o trabalho de História da Música onde pude desenvolver o tema da Música Concreta e Música Aleatória. Caso sintam vontade de conhecer um pouco melhor o compositor K. Stockhausen, aqui fica uma das suas raras entrevistas. Nela podemos descobrir entre outras obras, a "Helicopter String Quartet" de 1992/93.

8 comentários:

artimanha disse...

Excelente vídeo, também o tenho lá guardado. Tive a oportunidade de realizar a primeira peça que aparece no vídeo - Refrain- um verdadeira obra de música de câmara. A entrada de cada musico depende das ressonâncias geradas por cada instrumento. É curioso que também tivemos bastantes dificuldades em coordenar a altura dos vocábulos com as partes tocadas.

AP disse...

Será, concerteza, um prazer imenso tocar uma obra de um compositor como Stockhausen. Nunca assisti nada dele ao vivo. Aliás, só agora estou a descobrir a música do século XX. Como percebo mais um bocadito... ;-)

artimanha disse...

Caríssima já cá está o link:

http://dre.pt/pdf1sdip/2007/03/
04300/14261427.PDF

Portaria n.o 220/2007 de 1 de Março

Parto do princípio que conheces o relatório de avaliação do ensino artístico publicado recentemente pelo ministério. Se não conheces está à tua disposição no site do ME, mas aviso já cuidado com a indisposição que a sua leitura poderá provocar!

artimanha disse...

Já agora de Stockhausen aconselho vivamnte a audição dos "Klavierstucke" por Aloys Kontarsky ou Herbert Henck, Gruppen e finalmente a preferida Kontakte ;-)

AP disse...

Bem... se não conhecesse o relatório de avaliação do ensino artístico, estaria mesmo muito "distraída" ;-) Verdade que não o li com olhos de VER (afinal são centenas de páginas), mas dei uma leitura "em diagonal" e foi o suficiente para ficar preocupada. Vou já procurar esta portaria pois, para além de professora, tenho duas filhas no ensino articulado.

Agradeço as tuas sugestões de audição. Não conheço nem uma nem outra, mas sobre a "Kontakte" muito li aquando da elaboração do meu trabalho. Fiquei, desde logo, com vontade de investir uns trocos em CD's, mas espero pelo final do semestre para ir ao litoral (em Castelo Branco não há discotecas de jeito). Tenho um mundo novo à minha espera... Como estudei violino com um especialista em música barroca, estás a ver o que aconteceu... Praticamente, a minha discoteca é só de música dessa época.

AP disse...

Oh, meu deus, estou mesmo a "leste do paraíso"... A minha filha mais velha frequenta o ensino secundário, não num curso profissional, mas na área do ensino artístico especializado, na modalidade de ensino articulado; tem as disciplinas gerais com os outros colegas na escola secundária e as específicas no conservatório. Estas alterações não me parce que sejam para ela, uma vez que a portaria só se refere aos cursos profissionais. Estarei enganada? Espero não te aborrecer com esta questão, mas parece-me que estarás mais informado que eu e, na área da música, nunca ninguém sabe muito bem em que ponto estamos.

artimanha disse...

Parece-me que vai abranger todos os casos. Porque o Ministério haveria de poupar unicamente nos cursos profissionais? O que interessa é reduzir ao máximo as despesas que o ensino artístico na sua generalidade acarreta.

AP disse...

Bem!... Resta-me esperar para ver. Só espero que não estraguem a vida das minhas filhas. Como mãe leoa, ainda ataco alguém :-)